quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

2008!

2008!

Não, não farei resuminhos clichês sobre como foi o ano...
2008 foi louco demais e cheio de emoções e sentimentos inomináveis e decerto indescritíveis pra ser resumido assim por meras palavras...
Tentar descrevê-lo, no mínimo, corromperia os MOMENTOS!

Transcreverei aqui frases soltas, frases feitas e fragmentos de falas de filmes, de livros, músicas, textos, etc.; cheios de significado pra mim, que me marcaram e acompanharam de perto os meus momentos:

- "I'm not a concept. I'm just a fucked-up girl who's looking for my own peace of mind. I´m not perfect."
(Eu não sou um conceito, eu sou apenas uma garota fudida procurando por minha própria paz de espírito. Eu não sou perfeita)
Extraído da fala da personagem Clementine do filme "Brilho Eterno de uma mente sem lembranças".
.

"Sou uma coisa que pensa, isto é, que duvida, que afirma, que nega, que conhece poucas coisas, que ignora muitas, que ama, que odeia, que quer e não quer, que também imagina e que sente. Pois, assim como notei acima, conquanto as coisas que sinto e imagino não sejam talvez absolutamente nada fora de mim e nelas mesmas, estou, entretanto, certo de que essas maneiras de pensar, que chamo sentimentos e imaginações, somente na medida em que são maneiras de pensar, residem e se encontram certamente em mim. E neste pouco que acabo de dizer, creio ter relatado tudo o que sei verdadeiramente, ou, pelo menos, tudo o que até aqui notei que sabia."
(R. Descartes _ Meditações)
.

"- Ela parece distante... talvez seja porque está pensando em alguém.
- Em alguém do quadro?
- Não, um garoto com quem cruzou em algum lugar, e sentiu que eram parecidos.
- Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente que criar laços com os que estão presentes.
- Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.
- E ela? E a bagunça na vida dela? Quem vai pôr ordem? "
(Le Fabuleux destin d’Amélie Poulain)
.
"Voragem, vórtice, vertigem:ego. Farpas e trapos. Quero um solo de guitarra rasgando a madrugada. Te espero aqui onde estou, abismo, no centro do furacão. Em movimento, águas."
(Caio Fernando Abreu)
.

"Você tem tanto medo de se apegar que se desespera ao falar de si mesma."
.

"Você precisa internalizar isso!"
.

"Sim, eu sou uma má pessoa... Faz parte da minha natureza ser má. Me perdoe!"
.

"As duas desvantagens sociais de se fazer filosofia, é que você fica doido e amoralista."
.

"Não, essas regras são absurdas! Por quê?"
.

"Sorria, isso basta!"
.

"Em alguns momentos é preciso que você faça e veja as coisas de coração aberto, mente aberta, e se for preciso, de olhos fechados..."
.

"Não te ocorreu que talvez não sejas grande de mais? Que este espaço é que seja demasiado pequeno pra ti?"
(Filme: Peixe Grande)
.

"O ser é, só o Dasein existe." (M. Heidegger)
.

"Odeio que me roubem a solidão sem me oferecer verdadeiramente companhia."
(Nietzsche)
.

"A vida humana é um pêndulo que oscila entre a dor e o tédio."
(Schopenhauer)
.

"Nunca fui bem quando confrontada, algumas pessoas gostam disso, eu não."
(My blueberry nights)
.

“Sim. Não. Talvez!”
.

“Sentirei saudades!”
.

“Eu espero!”
.

“There's something in the air tonight.
A feeling that you have that could change your life.
There's something burning up inside.
I search out for you and our hearts collide.
With hearts on fire I reach out to you tonight”
(Há algo no ar esta noite.
Um sentimento que você tem que pode mudar sua vida.
Há algo queimando por dentro.
Eu procuro fora de você e nossos corações colidem.
Com corações em fogo eu chegarei em você esta noite!)
Cut Copy _Hearts on Fire
.

If I was young, I'd flee this town.
I'd bury my dreams under the ground.
As did I, we dream to die, we dream tonight.
(…)
Let the seasons begin - it rolls right on.
Let the seasons begin - take the big king down.”
(Se eu fosse jovem, eu fugiria desta cidade.
Enterraria meus sonhos no subsolo.
Como eu, nós bebemos até morrer, nós bebemos essa noite.
...
Que comecem as estações! - elas rolam como devem.
Que comecem as estações! - derrube o grande rei.)
Beirut_Elephant Gun
.


“O meu coração, meu coração,
Meu coração parece que perde um pedaço, mas não me leve a sério,
Passou este verão.
Outros passarão.
Eu passo”
(Chico Buarque_ Leve)
.

"São tempos difíceis para os sonhadores.''
(Le Fabuleux destin d’Amélie Poulain)
.

“É apenas isto: se você vai ser humano, tem um monte de coisas no pacote.Olhos, um coração, dias e vida. Mas são os momentos que iluminam tudo.O tempo que você não nota que está passando... é isso que faz o resto valer”
.
"O que é 'o que é'?
.

“Eu Amo!”
.


“And in the end,
The love you take…
Is equal to
The love you make.”
(E no final,
O amor que você recebe,
É igual ao que você faz.)
The Beatles_ The End.
A=A
.

E PARA 2009...

Eu desejo e espero... Menos violência, mais compreensão...
Saúde e Paz, o que creio eu, seja a base para a FELICIDADE, que creio também ser o objetivo da vida humana.
Tudo de melhor pra o mundo todo!
E pra encerrar do meu jeito... Paz, Amor, e um pouco de sacanagem!
Afinal, é disso que a vida é(ou pelo menos deveria ser) feita!!!
Obrigada a todos por tudo!
HAPPINESS!!!!
.
.
.
.
.
.
.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

FELIZ!


Um lugar, um olhar, um céu, uma esperança...

A noite anterior e a forma como se prolongou ao dia de hoje foram:

"LOUCOCÊNTRICOS".

Tanta coisa, em tempo tão curto...

Coisas ditas reveladas de tanto tempo adiado...

Tanto peso, tanta "liberdade roubada voluntariamente", e tanto riso que traz leveza!

Estou tão... tão... "Eufomedrofeliz"!

Uma mistura de sensações, um medo do que virá pela frente, a esperança e a crença na tentativa de deixar acontecer e...

VIVER!

E toda a confusão que se faz em minha mente não se torna cognoscível pelas minhas palavras.

Ai ai... Quero voar!
.
Escutando: Hearts on Fire_Cut Copy.
.
"There's something in the air tonight...
A feeling that you have that could change your life.
There's something burning up inside I reach out for you and our hearts collide...
With hearts on fire I reach out to you tonight
!"
.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

....Masks.....



É sério, eu não entendo...

Tanta coisa absurda!

Quanto mais eu vivo... Mais sinto repugnância à essência humana.

E existem coisas, em específico, que me dão cada vez mais vontade de viver SOZINHA no meu próprio mundo...

.

.

...Suffocated...

I'm feeling Suffocated...

Feelin' weak and weary Walkin' through this world alone...
I try to hold this under control. They can't help me, cause no one knows...
.
.
.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Feeling...

Feeling inside...

all that...

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

SOBRE O "TORNAR-TE QUEM TU ÉS!"


"A coisa mais difícil da vida, é a gente se tornar quem a gente é.(...) As pessoas vão desvirtuando o teu caminho até que tu chegue no caminho que tu quer, em todos os setores da vida, sem opinião de pais, namorado, isso e aquilo...
É uma coisa difícil, tem que ser muito autêntico, muito forte pra
te tornar quem tu és!"

(( Carol Teixeira ))

.
.
.

O CONTIDO E INEXPLICADO (UM CONTO ÉBRIO)


Naquele dia, mais exatamente naquela noite... Ela resolveu pensar em como teria sido se ele não tivesse ido embora...
Já havia feito isso várias vezes, mas não de forma planejada, como pretendia aquela noite.
Enfim, decidiu que se entregaria por inteiro àquela ilusão, pra anestesiar as dores menores com uma dor suficientemente forte que a fizesse iludir-se novamente com a vida... Tão seca, tão dura, tão real, tão... VIDA, ultimamente.
Talvez aquele rapaz com um anjo desenhado nas costas nunca mais voltasse...
Ela decidiu que se dedicaria então à ilusão, pelo menos naquela noite, de que ele não havia ido embora.
Não conseguia chorar, e quando sorria era impossível não lembrar que havia algo que deveria estar lhe fazendo chorar... Algo que ela não conseguia explicar exatamente, como gostava de fazer/ou fingir (odiava o seu não-saber profundamente) ...
Nela havia aquele ar contido e inexplicado, que a tornava tensa e ao mesmo tempo tão apática...
Não conseguia conversar, achava naqueles tempos que não valia mais nada tentar se abrir como antes fazia, ou tentava, “ninguém a compreendia mesmo”...
Sentia falta do rapaz... Ele era SEMPRE verdadeiro com ela... Mas ele se foi.
Decidiu então escrever, há tempos não o fazia... Talvez por isso estivesse tudo tão confuso naquelas palavras que no outro dia talvez não fizessem nenhum sentido...
Algumas linhas e ela já não sabia o que escrever...
Só lembrava da casa vazia do moço do anjo nas costas, ela nunca vira o anjo... Nunca vira o anjo...
Seus pensamentos sonolentos não a faziam escrever nada racional e que as pessoas se interessassem em ler (por que ainda se preocupava com isso?).
Seu desejo profundo naquele momento era saber o que não lhe deixava rir e o que não lhe fazia chorar...
Dormir talvez fosse o remédio... Remédio para a sua consciência insone...
DORMIR... Ela precisava tanto desse anestésico que detinha o poder de fazê-la viajar, transitar, visitar o moço, ver o anjo...
Estava tão difícil alcançar o remédio, ia cair e derrubar tudo... Que horrível seria o barulho! Cacos de vidros, cacos de sonhos...
O que o rapaz estaria fazendo naquele exato momento?
Dormia? Estaria com alguém? Estaria vivo? Lembrava-se dela?
Ela não tinha notícias dele há algum tempo.
Ele era SEMPRE verdadeiro... Mas ele se foi...
Como seria se ele não tivesse ido embora?
“_Apenas isso! Não me venha, consciência, falar bobagens!”
Havia começado a pensar nos porquês de ele ter ido embora e de ela nunca ter visto o anjo...
Mas que droga! Ela decidiu, disse a si mesma que se dedicaria à ilusão! (Ele estaria perto dela naquele momento) ...
Não... Não conseguia... Sua cabeça doía... O remédio se distanciava...
MALDITA RACIONALIDADE!
Uma música desconhecida ao fundo, um barulho esquisito ao lado... E dentro: tempestade!
“Farfalhar de folhas secas”...
Sim! Estava conseguindo voltar a imaginar... Logo conseguiria iludir-se...
Sim, se o moço do anjo (que ela nunca vira) nas costas não tivesse ido embora...
A ajudaria a não ser tão lúcida-neurótica-confusa-vazia-cheia-ÉbriaDeRacionalidade-ComSentimentosTãoVulneráveis-TãoDescrenteNasPessoas-PretensamenteConsciente=MULTIPOLAR...
Ele era afinal SEMPRE verdadeiro, e nesse momento sua lucidez idiota a compelia a pensar que ele a deixaria pior, pois essa era a verdade sobre ela, esse SER-TODO-CONTRADITÓRIO!
"MAS QUE DROGA!" Ela disse a si mesma que iria iludir-se!
Não conseguira, a esse tempo, pensar, escrever, sorrir, chorar...
Deitou-se, a luz ainda acesa... Às vezes o escuro dentro dela era tão angustiante que preferia evitar o “duplo escuro”...
O moço do anjo nas costas... O que ele estaria fazendo agora?
Não sabia, queria iludir-se de como seria se ele não tivesse ido embora.
Deitou-se...
Fechou os olhos.
Silêncio e Luz Acesa. Não se via mais a cor dentro dela...

domingo, 23 de novembro de 2008

BIG FISH


"Já te ocorreu que talvez não sejas assim tão grande? Que talvez seja este espaço que é demasiado pequeno pra ti?!"
.
VIDE: Big Fish Movie...
.

domingo, 16 de novembro de 2008

E depois da tormenta...


O tédio!
...
...
...
Sim! Depois de uma semana domindo pouco mais de 3 horas por dia...
Fazendo trabalhos, preparando seminários, lendo textos...
E pensando que quanto tudo isso terminasse (ou estivesse próximo de terminar, pois ainda tenho alguns trabalhos a serem feitos) eu sentiria calma, leveza ou algo assim...
Invade-me um imenso TÉDIO!
E a máxima de Schopenhauer de que "a vida humana é um pêndulo que oscila entre a dor(vontade) e o tédio" é super válida aqui.
Baaaargh... Que tédio!
...Mas enfim...
Segue-se com a vida e as vontades, à espera de novos tédios.
A boa notícia é que acho que não reprovo mais em Metafísica II.

:

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Sublinhado e suscitado...


[ Usando termos deliberadamente clássicos, Mickey está passando por uma crise existencial, está se perguntando qual o significado de sua vida, ou se sua vida tem afinal algum significado. Já sabe que a filosofia não vai lhe proporcionar resposta nem consolo: nem Nietzsche nem Freud nem Sócrates (“que, a propósito, tinha o costume de fazer sexo com os rapazes gregos”) vão resolver suas dúvidas existenciais. Para que tudo isso? “Talvez os poetas estejam certos – pensa ele – talvez o amor seja a única solução.” ]
.
Juan Antonio Rivera _ “O que Sócrates diria a Woody Allen" .
.

Bom, eu não ia comentar este fragmento... Na verdade nem imagem irira colocar. Ele é tão forte que por si já seria impactante, e assim, um daqueles posts de efeito.
Mas não posso deixar de dar uma amostra de minha excêntricidade (se é assim que posso chamar esse meu jeito canalha de ser) e corromper a poética e a filosofia da coisa, com algo que é uma PUTA (já denegrindo) verdade:
AAAAAAAAAAH, FUDIIIIIIIIIIIIIIDO!!!!
Um cara que consegue causar tal impacto _ podemos discutir qual_ (causou em mim, não sei se em vocês) apenas comentando um filme é ou não é um fudido?
E pra banalizar a coisa toda:
Pôooooôta que ô parêu!
.
*Imagem repetida por representar muito bem, na minha opinião, o fragmento.
**E a propósito, eu tinha esse trecho sublinhado e não tinha previsão de postagem para ele.
Porém uma certa "conversa" me suscitou um pensamento parecido hoje...
(E no momento é isso)
...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

NOTA DE REPÚDIO À POLUIÇÃO SONORA DA AV. FREI SERAFIM


As pessoas que freqüentam a Avenida Frei Serafim, puderam perceber nas últimas semanas um ruído proveniente de... Caixas de Som!
Isso mesmo, não bastasse o barulho do trânsito, agora há caixas de som com os piores tipos de “música” na parte mais movimentada da Avenida.
Um lugar em que, graças à nova pavimentação (tava bom de mais pra ser verdade) antes poderia sentar-se para tomar um sorvete, conversar, relaxar, refletir ou até mesmo ler um livro; hoje está um caos, um absurdo, pois ao passar por ela agora lhe é imposto escutar axé, sertanejo e forró.
Não to falando aqui que teria que tocar música clássica ou músicas que pessoas de bom senso consideram “boa música”. Mas já que não dá pra agradar a todos, que não coloquem NADA! O que é errado é essa imposição de estilos musicais de uma média parcela a todas as pessoas que freqüentam o lugar.
O resultado disso é que o meu sentimento, antes de alegria e conforto ao chegar na “Frei” depois de um dia estressante de aulas, foi substituído por REVOLTA! E imagino que seja a mesma situação de outras pessoas que assim como eu, adoram aquele lugar e não querem continuar presenciando tal decadência!
É fato que isso está ERRADO, e vai ter que mudar!
Que essa revolta não fique apenas em discurso! Prometo, pelo meu amor à Frei, que procurarei os responsáveis por tal estapafúrdia e tentarei mobilizar o máximo de pessoas para um protesto a fim de acabar com essa falta de sanidade mental e devolver à
Frei Serafim os ares de encanto que antes transmitia.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

sábado, 8 de novembro de 2008

A emergência da filosofia no dia-a-dia


Vive-se hoje uma mudança da visão popular da filosofia e do seu estudo de modo geral, mudança que é fruto da divulgação através dos meios de comunicação.
O que antes era visto com um olhar ignorante e preconceituoso pela grande maioria, vem tomando um lugar cada vez maior na vida das pessoas.
Antes, se algum acadêmico se apresentasse como estudante de filosofia ou se alguém afirmasse que iria prestar vestibular pra tal curso, era comum ouvir: “É um louco, vai morrer de fome”. “o que é isso? Filosofia não dá dinheiro, por que não faz pra direito?”, ou “Vai ficar louco e não acreditará mais em Deus!”, dentre váááários estereótipos para os pretensos estudantes da Philosophiae. Ou a comum lenda intelectualista: “Faz filosofia? Oh, que máximo... Você deve ser muito inteligente!”. O que até convence e promove a tal vaidade “intelectual” de muitos estudantes da área.
A questão é que um pouco desse conhecimento vem emergindo paulatinamente nos meios de comunicação e na política educacional(que tem como medida representante a Lei nº.1641/2003 que torna obrigatório o ensino de Filosofia e Sociologia nas escolas de ensino médio, públicas e privadas).
Hoje, programas populares como “Café Filosófico”, “Invenção do contemporâneo”, e outros programas exibidos na TV aberta voltam os olhares para O QUE HÁ DE FILOSÓFICO, representando uma emergência do refletir na sociedade. DVDs ‘Filosofia para o dia-a-dia’ ensinando, como traz em seu próprio subtítulo “o arroz com feijão da filosofia”. Há mais reportagens nos principais telejornais abordando assuntos que envolvam a filosofia. Prêmios e concursos na área; algo que é muito bom, em minha opinião.
Mas... CUIDADO! Como diz um desses ditados: “É errado ir com muita sede ao pote”.
Ter a filosofia mais presente no dia-a-dia tem também como implicação o problema dos mal-informados e daqueles que não sabem processar informações.
Hoje é comum ver camisetas com fotos de Nietzsche, com direito a aforismos atrás e tudo... Ou ver algum fulano citando Schopenhauer ou Kant no ônibus...
E quando pedimos pra explicar...
“Eeer...Hãããã... Hummm.... Sei lá”
Não sabem.
O mesmo acontece com as criaturas que não sabem transformar informação em conhecimento necessário em se tratando da literatura: O uso sem noção da linguagem... Existem pessoas que forçam um cultismo exacerbado, utilizam palavras rebuscadas sem saber seu significado e fazem construções que beiram o ridículo... Dá pra perder a paciência.
O que é preciso então, para que esse processo de "conscientização filosófica" ocorra de forma menos desarmoniosa?
Voltando ao título inicial, comentando sobre a lei nº.1641/2003 ; que traz os direitos pelos quais acadêmicos passaram anos reclamando. O que acontece hoje?
Simplesmente a falta de profissionais para a demanda... E até aqui só temos problemas...
E a filosofia, ao invés de ser inserida de forma, digamos, saudável; se vulgariza através de falsas informações. Exemplo: Um amigo diz ao outro: “Olha esse cara aqui, esse Nietzsche, ele ‘prega’ que Deus está morto e que é a vez do super-homem [ps: tradução errônea do termo Nietzscheano ‘Übermensch’{além do homem} ], vamos segui-lo! Vamos ser ateus e cultuar Dionísio (veja o contraponto entre ateísmo e o culto à um deus), tomar muito vinho e fazer o que quisermos pelo prazer, coisa boa né rapaz!?”
E a falta de profissionais (Bons profissionais) para explicar a essas criaturas os conceitos e as Hermenêuticas de forma menos desastrosa, continua...

domingo, 2 de novembro de 2008

FELIS CATUS E SEUS MISTÉRIOS

Eu estava lendo uma edição de Sandman que me interessou de cara, por trazer um conto de felinos; e eis que encontro em uma das notas "Palavras na Areia" que vêm ao fim de alguns números, um texto que expressa perfeitamente a minha relação de amor, paixão, fascínio e adoração por gatos, os seres mais lindos e enigmáticos que existem.
Transcrevo aqui o texto, escrito por Leandro Luigi Del Manto, um texto rechado de História, misticismo e encanto:

O Ronronar dos Sonhos.

Pobres humanos... Escravos de seus próprios sonhos e presos pelos
grilhões do ceticismo, eles são incapazes de vislumbrar e sentir a
imensidão da verdadeira não-realidade que os rodeia.
Certos de sua superioridade genética, os homens desconhecem as forças motrizes do
Universo e julgam-se filhos das estrelas por terem pisado em solo
lunar. Tolos pretensiosos... A Mãe-Terra aconchega outros animais muito
mais interligados ao nicho macrocósmico.Os insetos e suas regras
sociais quase geométricas. As aves e seu instinto de vôo em plena
harmonia com o magnetismo polar. Os mamíferos aquáticos e seus mistérios
inimagináveis.
Tantos exemplos da irracionalidade superior construídos sobre o
primitivismo da Criação. Entre eles, porém, uma espécie se desenvolveu
vertiginosamente, animais estruturalmente perfeitos, rápidos, ágeis e
fortes. Completamente auto-suficientes, eles fingem ser domesticados
pelo homem apenas por conveniência. Sua beleza inegável entra em
conflito com a ferocidade repentina de seus atos. Possuidores de olhos
que se igualam às mais raras e preciosas gemas, eles vêem coisas
invisíveis à percepção humana: seres de outras dimensões, espíritos
errantes, imagens aleatórias do passado e presente.
Amados por poucos, mas odiados por muitos, estes fantásticos animais
são comumente chamados de gatos. Chat, Cat, Pushak, Die-Katze, Gatto,
Gato... Não importa em que língua ele seja pronunciado, sua majestade é
inegável. Muitas foram as culturas que utilizaram esses
"inofensivos" felinos como símbolo de adoração. Hoje a descomunal e
misteriosa Esfinge do Antigo Egito é o maior monumento arquitetônico
dedicado a eles. Em sua época áurea, o império que surgiu às margens do
Nilo reverenciava o gato como um animal sagrado por causa de sua
ligação com a deusa da Lua, Pasht. Da mesma forma, a deusa que
representava o Sol, Bast, possuía a cabeça de um felino. Alguns
pesquisadores acreditam que ele era adorado pelos Egípcios porque, tinha
a capacidade de "enxergar ou sentir" a presença de espíritos bons e
maus.
Depois, provavelmente comercializados pelos fenícios, esses animais
chegaram à Europa. Primeiramente, os bichanos não foram vistos com bons
olhos pelo fanatismo doentio da Igreja na Idade Média. Os outrora
sagrados animais egípcios (principalmente os de cor preta) passaram a
ser sacrificados pelas chamas da Inquisição. Daí se originaram ditados
populares como "jamais deixar um gato preto cruzar seu caminho" e
outras tolices inerentes à "sapiência" humana. Algum tempo depois,
ainda em descrédito religioso, eles serviram para conter a peste negra,
caçando os ratos que se alastravam pelas cidades.
Mais tarde, com a colonização americana, os gatos finalmente alcançaram
o Novo Mundo e foram usados, uma vez mais, como "ratoeiras móveis
peludas" (naquela época,a ACME INC. ainda não tinha desenvolvido
nenhuma parafernália tecnológica como "rat terminators" ou coisa
parecida...) nas cidades e, até mesmo, no campo. Em decorrência desses
lamentáveis incidentes, o "pequeno grande felino" passou a ser
retratado como um reles inimigo mortal dos vorazes roedores. Humpf!!!
Que absurdo! Uma verdadeira afronta a um ser tão nobre!!
Hoje, os gatos reconquistaram um certo status na sociedade
pseudo-evoluída dos homens, tornando-se dóceis e carinhosos "bichinhos
de estimação". Na verdade, os humanos é que cederam ao ronronar
hipnótico e começaram, sem perceber, a entrar num processo irreversível
de "felinização". Não há como escapar.
Quando a noite chega, trazendo consigo a areia mágica soprada por
*Morpheus,os "donos do mundo" perdem-se em sonhos fúteis que apenas
preenchem suas frustrações pessoais. No entanto, aqueles que foram
venerados como deuses no berço da civilização sonham coisas estranhas,
como mudar a realidade. No sonhar, eles planejam um complô contra a
humanidade. Se a presente situação irá mudar ou não, apenas o Destino
sabe dizer. Não nos convém, entretanto, atravessar uma ponte antes que
ela seja construída.
Bem... A história foi contada. Verdade, mentira, devaneio... Que
diferença faz? É apenas um sonho dentro de sonhos.
E, neste momento, a única coisa que me veio à mente é um velho ditado
inglês:
"Somente um Rei é capaz de fitar os olhos de um gato".

Leandro Luigi Del Manto.

(Palavras na Areia, Sandman, Neil Gaiman, edição número 18_Um sonho de
Mil Gatos)
*Morpheus: Sandman, o "Senhor dos Sonhos".

sábado, 1 de novembro de 2008

VONTADE DE GRITAR!


AAAAAAAAAAAAAAARGH!
É a minha gripe me enchendo o saco...
Os trabalhos que tenho pra fazer e não consigo sequer iniciar.
Os meus problemas afetivo-relacionais...
Saco cheio de "muitos" e de muitas situações.
Minha ignorância e meus conflitos me agonizando...
As minhas crises existenciais e a falta de compreensão à minha volta.
De dentro pra fora, de fora pra dentro. TUDO GRITA!
Quero sair correndo, mas antes disso:
QUERO GRITAAAAAAAAAAAAAAAR!
Buááááááá, quero sair desse lugaaaaar!
Quero também xingar(já o faço mentalmente nesse exato momento), mas que isso fique nesse plano...
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAARGH!
I'M SO BOOOOORED!

domingo, 26 de outubro de 2008

Heart of Lilith


O coração de Lilith ainda pulsa...
Gostaria que aqueles a quem essa mensagem é direcionada possam compreendê-la...
Caso contrário, deixa pra lá.

sábado, 25 de outubro de 2008

Falar é fácil...



Não ao radicalismo e à “Síndrome de Underground”!

Eu espero não ser atualmente uma pessoa radical em relação às diferenças!
Estava dando uma olhada em alguns blogs e também em comunidades no Orkut, inclusive algumas em que eu havia entrado... Que além de me decepcionarem me causaram repulsa e vergonha pelo seu conteúdo radical, preconceituoso e sinceramente: pseudo-intelectual.
Lembrei que um dia já fui uma dessas pessoas metidas a radicais e “trevosas”, do tipo que sai falando por aí: “Ah, esse estilo de música é um lixo, uma porcaria”, ou “Que povo sem inteligência, que pessoas ridículas” ou até mesmo “certa banda é popular demais, não presta”! Ai que vergonha!
Porque o mais ridículo na verdade, era esse eu pensamento pequeno.
A minha experiência com pessoas que querem ser diferentes, fazer a diferença, e no fim das contas acabam sendo o mais ignorante possível me faz cair na real e não querer de modo algum seguir o exemplo delas.
Exemplo: Eu não gosto de EMOcore e concordo que esse estilo musical degrada os neurônios dos adolescentes que resolvem seguir a moda... Mas não saio por aí gritando: MORTE AOS EMOS!
As pessoas que agem assim não vêem que isso os torna até mais estúpidos do que aqueles a quem criticam?
Tem gente q não sabe se utilizar de sua aparente "inteligência”.
Ok, tudo bem que as coisas que estão na mídia e a cultura de massa em geral possuem um conteúdo extremamente ínfimo.
Mas quem promove tudo isso? Quem alimenta esse ciclo?
Todos nós!
Direta ou indiretamente, e inclusive com esse pensamento fechado e essa maldita mania de superioridade sobre as pessoas mais ignorantes, seja por opção ou pela pura falta de informação necessária - eu sempre fui contra esse discurso, pois defendia que cultura você encontra de graça; mas é uma questão difícil porque as pessoas estão realmente acomodadas ao que lhes é oferecido: o que passa na TV, o que toca nas rádios, e até o que é exibido em jornais e revistas que se dizem Cult - os “maiorais” só querem continuar manipulando as pessoas a manter-se ignorantes.
E pergunto: Por que isso é oferecido pra população? Por que existem poucas opções de acesso gratuito à arte e cultura?
A sociedade inteira é culpada pela ignorância, e principalmente os que se dizem mais instruídos.
Porque querem manter essas diferenças, querem continuar sendo os intelectuaizinhos que estão acima da massa, dos idiotas que só assistem GUGU e FAUSTÃO aos domingos enquanto eles escrevem em seus lindos blogs para um reduto ‘intelectualíssimo’ mostrando os resultados de seus bons estudos e de sua formação acadêmica, ou apenas desperdiçam horas em sites de relacionamento, e contudo se acham melhores.
E eu sinceramente, ODEIO isso!
Essa síndrome idiota de underground (termo paradoxal por ser na verdade um sentimento de superioridade, mas colocado desta forma devido ao fato de as pessoas que estão incluídas nesse grupo caracterizarem-se como “alternativas” “comum-fóbicas” e mesmo underground).
Vejamos... Se o melhor da arte fosse mais divulgado, mais acessível, (sim, porque as boas bandas por exemplo, ou bons escritores não escolhem ficar no semi-desconhecido, eles querem o reconhecimento pelo seu trabalho e não o conseguem justamente porque a porcaria é o que domina o mercado). Mas e se “o bom” fosse melhor divulgado e aceito...
1: Deixaria de ser bom?
2: Não faria melhor pro intelecto de todos?
O que a minoria “intelectual” quer é sim, continuar com essa desigualdade, pra deitar e rolar sob a ignorância dos “tolos”...
Pra terem os super-inteligentes no topo, os que estão acima da massa.
Querem continuar privatizando o conhecimento que eles apenas JULGAM obter.

Quer saber... Eu tenho é vergonha disso!
Tenho vergonha de morar em um país em que a maioria é ignorante, em que as pessoas não escutam boa música, preferem a baixaria... Não têm acesso a uma boa literatura, não gostam de ir ao cinema (ou não podem, por questões financeiras_e tai, a questão política é fundamental nessa discussão), muito menos ao teatro...
Mas estou preferindo perguntar “por que” e tentar fazer algo pra mudar, pois se todos quisessem realmente a educação, sairiam organizando trabalhos a respeito e não só criticaria incansável e nocivamente dentro da sua esfera, no seu mundinho fechado pros seus amiguinhos pseudo-cult.
Bom, eu não sei se tudo o que estou falando aqui é bobagem, absurdo ou ignorância minha (Sim, admito que sou apenas mais uma ignorante nesse mundo).
Mas escrevi algo no qual acredito, pra poder ter atitudes menos humanas, e mais racionais (contraditório, tem certeza?) daqui pra frente.
Atitude. É disso que as pessoas precisam.
Falar menos, e fazer mais; e principalmente, avaliar o modo como estão utilizando os seus conhecimentos.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Beach Boys, Nostalgia pra animar...

Quando escuto essa música sinto vontade de sair cantando e dançando por aí...
Para e por mim mesma...
Misto de estranho e alegre!

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

terça-feira, 23 de setembro de 2008

CANSADA! CANSADA! CANSADA!

ESTOU CANSADA!
Cansada de emoções de quinta...
De sentimentos que acabam em quartos.
Estou cansada de meias verdades!
Cansada de ter que exibir um sorriso inteiro...
Tendo um coração em pedaços!
...

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Sou um castelo de areia na beira do mar...


Já tentei ser poesia...
Feitiço...
Filosofia.
Hoje sou apenas um castelo de areia na beira do mar...
À espera da maré...

domingo, 21 de setembro de 2008

Eu sou nuvem passageira...


...Que com o vento se vai...

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Ninguém na "Lanterna dos Afogados".

Infelizmente, seus apelos...E possivelmente os meus; não foram/serão atendidos...
Também me sinto sufocada, mas não sei se poderia fazer o mesmo!
Onde quer que esteja, esteja melhor do que esteve aqui.
E não havia ninguém que entendesse, ninguém lá.
O tempo todo o alguém de que tanto precisava estava dentro de você!
Rest in peace!

Para, e por, Leandro Ricieri.

(Ouvindo: The Moment is the Time _ Silent Cry)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Olhar pra trás... Volver os olhos pra frente... Onde está o meio?


"O passado é uma dor pungente inexorável...Eternamente pulsante.

O futuro é um pressentir infinito... Incertamente tão dado...

Sobre o 'presente' ... Por que é tão difícil enxergá-lo???"
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

sábado, 30 de agosto de 2008

EU QUERO O DELÍRIO!


"Apesar de todos os medos, escolho a ousadia.

Apesar dos ferros, construo a dura liberdade.

Prefiro a loucura à realidade, e um par de asas tortas aos limites da comprovação e da segurança.

Eu, Altéria, sou assim.

Pelo menos assim quero fazer: a que explode o ponto e arqueia a linha, e traça o contorno que ela mesma há de romper.

A máscara do Arlequim não serve apenas para o proteger quando espreita a vida, mas concede-lhe o espaço de a reinventar.

Desculpem, mas preciso lhes dizer:

eu

quero o delírio."


(Lya Luft)

domingo, 24 de agosto de 2008

Não se pode amar um ser humano acordado!


"Aqueles que amo agora dormem...

Ainda bem!

Se acordados, correria o risco de não amá-los mais..."



domingo, 17 de agosto de 2008

Fazendo um blog... E falando do Amor!



Ahhh, escrever...

Como é bom, dominemos ou não essa arte!

Escrever é sempre uma terapia.

E por isso aqui estou, preciso disso!

Mas o que viria a ser terapia mesmo?

(eu e meus conflitos inacabáveis postos em minhas perguntas irritantes até pra mim...Mas eu gostaria de saber por que nos acostumamos com as expressões a ponto de usá-las sem nos lembrarmos o que significam).

Aurélio(afinal, nem sempre apelamos para o google)= Terapia: sf. Terapêutica: Parte da Medicina que estuda e põe em prática os meios adequados para aliviar ou curar os doentes.

Uau. Eu não sabia que estava doente (sabia né, mas ver isso no aurélio, me dando certeza, é meio forte, hehe.)!

E nem que um blog era médico.

Não não, prefiro ficar com visão popular e a nível de senso-comum:

Terapia igual a coisa agradável de fazer quando se está estressado. Aeeeee!

Ja estou na "coisagésima" linha e eu nem comecei o post real...Quanta, segundo a Poli, "encheção de lingüiça"! Tá, eu sei que essas minhas expressões chulas acabam com a poética da coisa...Então vamos ao que interessa, pois minhas inquietações podem ficar pra depois, ou melhor, ficarão pra sempre!

Pra iniciar um blog, que tal assunto melhor pra tratar do que o Amor?

Aaaaaaah, o Amor...

Um assunto tão complexo, pela simplicidade aparente que traz, e por sua simplicidade essencial, a tornar-se complexa, ou complexada pelo não-entendimento das complicadas mentes humanas e seus corações endurecidos, ou como veremos mais adiante: cheios de lixo.

A seguir, o fruto de uma conversa ao som de Led Zeppelin com minha querida amiga Nádia, a moça mais intensa que conheço, e dona de um puro coração... E ninguém melhor pra "conversar" sobre o Amor.


Sobre o terreno coração, e o ocupante amor.


FALAMOS DE PESSOAS INTENSAS... E SEUS SENTIMENTOS... INTENSOS!


“Segurança deve ser uma palavra abolida nesse discurso pela ambigüidade que traz
Falemos de liberdade
e de medo e não-medo”


Sim, as coisas vêm e acontecem... O amor é uma dessas coisas.
Você está ali parado, desprevenido... E ele chega! E aquilo lhe é agradável, e começa a te envolver...

Tudo corre bem até... Você descobrir que já está mergulhado em um mundo completamente estranho e imprevisível, e possivelmente sem uma saída visível...

E você, como ser racional que é não aceita isso por dentro, você quer segurança, quer previsão (ou seria previsibilidade?) você quer saber como será o dia de amanhã.
E quem está dentro desse mundo?

Um ser - humano cheio das mesmas confusões e crises existenciais, mesmas angústias e medos... Suscetível às mesmas falhas, tendo defeitos, muitos... E podendo tanto magoar como ser magoado. Cheio da mesma falta de previsibilidade e da “necessidade” desta. (ou seja, a necessidade que julgamos ter).
Essa situação é UM CAOS. Nosso coração, quando se deixa guiar pela racionalidade, exige respostas e segurança. Mas o amor, coitado... É cego.
E também não entende muito dessas coisas, ele só quer existir.
Ele quer encontrar um espaço no seu coração pra se instalar
E lá dentro crescer, crescer, crescer... Atééé, se vc deixar, se tornar vc mesmo, ou se tornar um monstro.
O que vai determinar o que ele vai se tornar... É o terreno onde ele cresce, ou seja... O seu coração.
O que havia la antes da chegada do amor?
Lixo? Mágoa? Medo?
Se essas coisas todas existirem, o amor pode se tornar sim um monstro.
Mas, TODOS NÓS POSSUÍMOS ESSE LIXO!
O que fazer?
O que fazer pra que nos tornemos amor, e não seres dominados por um monstro chamado amor?

(desesperadamente)
É difícil, é um trabalho pesado... E para os fracos, é impossível, pois a fraqueza dá preguiça.
O que fazer????!!!
Limpar o terreno.
E como isso é difícil, NOSSA!
Mas como se faz o impossível? Como mover um objeto q não se move?
Começando a tentar, pois só é impossível aquilo que se julga ser impossível.
E objetos que não se movem?
Peçamos ajuda a forças infinitas, oras:
ESPERANÇA!
Que aposto que mesmo depois de todos os objetos imóveis terem deixado de existir... Ainda estará lá.
O que faremos, então?
Vamos limpar o terreno! Esperança é tudo o que precisamos...
E como conseguir esperança?
Afinal, ela precisa vir de algum lugar...
Nosso coração, quando guiado pela razão, não se adapta bem à ela...

(Uma luz invade-me! E “plim”):

Emoção...Emoção é a resposta.
E como? (Numa agonia curiosa)
NA INTENSIDADE!
A intensidade é o mar de emoções...
Então temos todo o material necessário.
Existem problemas, existem cacos de tudo no nosso coração... Cacos de sonho, cacos de gente... E o amor pode ser afetado por tudo isso, ele trabalha às vezes numa espécie de absorção, já que não vê as coisas, apenas as sente.
Vamos segurar na mão do amor então, enquanto pedimos ajuda à esperança para limpar o nosso coração.
E fique certo, mesmo depois da limpeza, sempre virá mais sujeira...Mas ela, ela é eterna: Esperança.
Ela é quem ordena a coragem e a força pra levantar quando se cai.
Não precisamos nos iludir de que tudo é perfeito, nunca será assim...
Mas ordem na "casa" e será pelo menos, tudo organizado.
Façamos a limpeza, é disso que precisamos...Nossa alma ainda não foi totalmente corrompida pelos males do mundo...

O universo, pra que conspire à nosso favor, precisa de uma boa sacudida pra dê uma olhada pra nós, mas até que tenhamos essa percepção, precisamos nós mesmos olharmos pra dentro.
E ver tudo o que deve sair de nós.
Calma, tenha calma... E vá cuidando de si, limpando o coração...Para q nos tornemos amor, e não seres dominados por um monstro chamado amor.
E as pessoas, em quem depositamos todo esse amor... Ou melhor, a quem este cego decidiu seguir... Façamos por elas, ajudemos essas pessoas a também cuidarem de si. Elas e nós, NUNCA SEREMOS PERFEITOS. Mas como já disse, precisamos apenas de ordem.


(campanha pela limpeza de corações... para q o amor cresça forte e saudável).


FIM.


Dedicado à todos aqueles que ainda possuem esperança, ou a necessidade dela...Essas um dia conseguirão dar "boas instalações" ao sr. ceguinho, o Amor!
.