sábado, 30 de agosto de 2008

EU QUERO O DELÍRIO!


"Apesar de todos os medos, escolho a ousadia.

Apesar dos ferros, construo a dura liberdade.

Prefiro a loucura à realidade, e um par de asas tortas aos limites da comprovação e da segurança.

Eu, Altéria, sou assim.

Pelo menos assim quero fazer: a que explode o ponto e arqueia a linha, e traça o contorno que ela mesma há de romper.

A máscara do Arlequim não serve apenas para o proteger quando espreita a vida, mas concede-lhe o espaço de a reinventar.

Desculpem, mas preciso lhes dizer:

eu

quero o delírio."


(Lya Luft)

domingo, 24 de agosto de 2008

Não se pode amar um ser humano acordado!


"Aqueles que amo agora dormem...

Ainda bem!

Se acordados, correria o risco de não amá-los mais..."



domingo, 17 de agosto de 2008

Fazendo um blog... E falando do Amor!



Ahhh, escrever...

Como é bom, dominemos ou não essa arte!

Escrever é sempre uma terapia.

E por isso aqui estou, preciso disso!

Mas o que viria a ser terapia mesmo?

(eu e meus conflitos inacabáveis postos em minhas perguntas irritantes até pra mim...Mas eu gostaria de saber por que nos acostumamos com as expressões a ponto de usá-las sem nos lembrarmos o que significam).

Aurélio(afinal, nem sempre apelamos para o google)= Terapia: sf. Terapêutica: Parte da Medicina que estuda e põe em prática os meios adequados para aliviar ou curar os doentes.

Uau. Eu não sabia que estava doente (sabia né, mas ver isso no aurélio, me dando certeza, é meio forte, hehe.)!

E nem que um blog era médico.

Não não, prefiro ficar com visão popular e a nível de senso-comum:

Terapia igual a coisa agradável de fazer quando se está estressado. Aeeeee!

Ja estou na "coisagésima" linha e eu nem comecei o post real...Quanta, segundo a Poli, "encheção de lingüiça"! Tá, eu sei que essas minhas expressões chulas acabam com a poética da coisa...Então vamos ao que interessa, pois minhas inquietações podem ficar pra depois, ou melhor, ficarão pra sempre!

Pra iniciar um blog, que tal assunto melhor pra tratar do que o Amor?

Aaaaaaah, o Amor...

Um assunto tão complexo, pela simplicidade aparente que traz, e por sua simplicidade essencial, a tornar-se complexa, ou complexada pelo não-entendimento das complicadas mentes humanas e seus corações endurecidos, ou como veremos mais adiante: cheios de lixo.

A seguir, o fruto de uma conversa ao som de Led Zeppelin com minha querida amiga Nádia, a moça mais intensa que conheço, e dona de um puro coração... E ninguém melhor pra "conversar" sobre o Amor.


Sobre o terreno coração, e o ocupante amor.


FALAMOS DE PESSOAS INTENSAS... E SEUS SENTIMENTOS... INTENSOS!


“Segurança deve ser uma palavra abolida nesse discurso pela ambigüidade que traz
Falemos de liberdade
e de medo e não-medo”


Sim, as coisas vêm e acontecem... O amor é uma dessas coisas.
Você está ali parado, desprevenido... E ele chega! E aquilo lhe é agradável, e começa a te envolver...

Tudo corre bem até... Você descobrir que já está mergulhado em um mundo completamente estranho e imprevisível, e possivelmente sem uma saída visível...

E você, como ser racional que é não aceita isso por dentro, você quer segurança, quer previsão (ou seria previsibilidade?) você quer saber como será o dia de amanhã.
E quem está dentro desse mundo?

Um ser - humano cheio das mesmas confusões e crises existenciais, mesmas angústias e medos... Suscetível às mesmas falhas, tendo defeitos, muitos... E podendo tanto magoar como ser magoado. Cheio da mesma falta de previsibilidade e da “necessidade” desta. (ou seja, a necessidade que julgamos ter).
Essa situação é UM CAOS. Nosso coração, quando se deixa guiar pela racionalidade, exige respostas e segurança. Mas o amor, coitado... É cego.
E também não entende muito dessas coisas, ele só quer existir.
Ele quer encontrar um espaço no seu coração pra se instalar
E lá dentro crescer, crescer, crescer... Atééé, se vc deixar, se tornar vc mesmo, ou se tornar um monstro.
O que vai determinar o que ele vai se tornar... É o terreno onde ele cresce, ou seja... O seu coração.
O que havia la antes da chegada do amor?
Lixo? Mágoa? Medo?
Se essas coisas todas existirem, o amor pode se tornar sim um monstro.
Mas, TODOS NÓS POSSUÍMOS ESSE LIXO!
O que fazer?
O que fazer pra que nos tornemos amor, e não seres dominados por um monstro chamado amor?

(desesperadamente)
É difícil, é um trabalho pesado... E para os fracos, é impossível, pois a fraqueza dá preguiça.
O que fazer????!!!
Limpar o terreno.
E como isso é difícil, NOSSA!
Mas como se faz o impossível? Como mover um objeto q não se move?
Começando a tentar, pois só é impossível aquilo que se julga ser impossível.
E objetos que não se movem?
Peçamos ajuda a forças infinitas, oras:
ESPERANÇA!
Que aposto que mesmo depois de todos os objetos imóveis terem deixado de existir... Ainda estará lá.
O que faremos, então?
Vamos limpar o terreno! Esperança é tudo o que precisamos...
E como conseguir esperança?
Afinal, ela precisa vir de algum lugar...
Nosso coração, quando guiado pela razão, não se adapta bem à ela...

(Uma luz invade-me! E “plim”):

Emoção...Emoção é a resposta.
E como? (Numa agonia curiosa)
NA INTENSIDADE!
A intensidade é o mar de emoções...
Então temos todo o material necessário.
Existem problemas, existem cacos de tudo no nosso coração... Cacos de sonho, cacos de gente... E o amor pode ser afetado por tudo isso, ele trabalha às vezes numa espécie de absorção, já que não vê as coisas, apenas as sente.
Vamos segurar na mão do amor então, enquanto pedimos ajuda à esperança para limpar o nosso coração.
E fique certo, mesmo depois da limpeza, sempre virá mais sujeira...Mas ela, ela é eterna: Esperança.
Ela é quem ordena a coragem e a força pra levantar quando se cai.
Não precisamos nos iludir de que tudo é perfeito, nunca será assim...
Mas ordem na "casa" e será pelo menos, tudo organizado.
Façamos a limpeza, é disso que precisamos...Nossa alma ainda não foi totalmente corrompida pelos males do mundo...

O universo, pra que conspire à nosso favor, precisa de uma boa sacudida pra dê uma olhada pra nós, mas até que tenhamos essa percepção, precisamos nós mesmos olharmos pra dentro.
E ver tudo o que deve sair de nós.
Calma, tenha calma... E vá cuidando de si, limpando o coração...Para q nos tornemos amor, e não seres dominados por um monstro chamado amor.
E as pessoas, em quem depositamos todo esse amor... Ou melhor, a quem este cego decidiu seguir... Façamos por elas, ajudemos essas pessoas a também cuidarem de si. Elas e nós, NUNCA SEREMOS PERFEITOS. Mas como já disse, precisamos apenas de ordem.


(campanha pela limpeza de corações... para q o amor cresça forte e saudável).


FIM.


Dedicado à todos aqueles que ainda possuem esperança, ou a necessidade dela...Essas um dia conseguirão dar "boas instalações" ao sr. ceguinho, o Amor!
.