domingo, 26 de outubro de 2008

Heart of Lilith


O coração de Lilith ainda pulsa...
Gostaria que aqueles a quem essa mensagem é direcionada possam compreendê-la...
Caso contrário, deixa pra lá.

sábado, 25 de outubro de 2008

Falar é fácil...



Não ao radicalismo e à “Síndrome de Underground”!

Eu espero não ser atualmente uma pessoa radical em relação às diferenças!
Estava dando uma olhada em alguns blogs e também em comunidades no Orkut, inclusive algumas em que eu havia entrado... Que além de me decepcionarem me causaram repulsa e vergonha pelo seu conteúdo radical, preconceituoso e sinceramente: pseudo-intelectual.
Lembrei que um dia já fui uma dessas pessoas metidas a radicais e “trevosas”, do tipo que sai falando por aí: “Ah, esse estilo de música é um lixo, uma porcaria”, ou “Que povo sem inteligência, que pessoas ridículas” ou até mesmo “certa banda é popular demais, não presta”! Ai que vergonha!
Porque o mais ridículo na verdade, era esse eu pensamento pequeno.
A minha experiência com pessoas que querem ser diferentes, fazer a diferença, e no fim das contas acabam sendo o mais ignorante possível me faz cair na real e não querer de modo algum seguir o exemplo delas.
Exemplo: Eu não gosto de EMOcore e concordo que esse estilo musical degrada os neurônios dos adolescentes que resolvem seguir a moda... Mas não saio por aí gritando: MORTE AOS EMOS!
As pessoas que agem assim não vêem que isso os torna até mais estúpidos do que aqueles a quem criticam?
Tem gente q não sabe se utilizar de sua aparente "inteligência”.
Ok, tudo bem que as coisas que estão na mídia e a cultura de massa em geral possuem um conteúdo extremamente ínfimo.
Mas quem promove tudo isso? Quem alimenta esse ciclo?
Todos nós!
Direta ou indiretamente, e inclusive com esse pensamento fechado e essa maldita mania de superioridade sobre as pessoas mais ignorantes, seja por opção ou pela pura falta de informação necessária - eu sempre fui contra esse discurso, pois defendia que cultura você encontra de graça; mas é uma questão difícil porque as pessoas estão realmente acomodadas ao que lhes é oferecido: o que passa na TV, o que toca nas rádios, e até o que é exibido em jornais e revistas que se dizem Cult - os “maiorais” só querem continuar manipulando as pessoas a manter-se ignorantes.
E pergunto: Por que isso é oferecido pra população? Por que existem poucas opções de acesso gratuito à arte e cultura?
A sociedade inteira é culpada pela ignorância, e principalmente os que se dizem mais instruídos.
Porque querem manter essas diferenças, querem continuar sendo os intelectuaizinhos que estão acima da massa, dos idiotas que só assistem GUGU e FAUSTÃO aos domingos enquanto eles escrevem em seus lindos blogs para um reduto ‘intelectualíssimo’ mostrando os resultados de seus bons estudos e de sua formação acadêmica, ou apenas desperdiçam horas em sites de relacionamento, e contudo se acham melhores.
E eu sinceramente, ODEIO isso!
Essa síndrome idiota de underground (termo paradoxal por ser na verdade um sentimento de superioridade, mas colocado desta forma devido ao fato de as pessoas que estão incluídas nesse grupo caracterizarem-se como “alternativas” “comum-fóbicas” e mesmo underground).
Vejamos... Se o melhor da arte fosse mais divulgado, mais acessível, (sim, porque as boas bandas por exemplo, ou bons escritores não escolhem ficar no semi-desconhecido, eles querem o reconhecimento pelo seu trabalho e não o conseguem justamente porque a porcaria é o que domina o mercado). Mas e se “o bom” fosse melhor divulgado e aceito...
1: Deixaria de ser bom?
2: Não faria melhor pro intelecto de todos?
O que a minoria “intelectual” quer é sim, continuar com essa desigualdade, pra deitar e rolar sob a ignorância dos “tolos”...
Pra terem os super-inteligentes no topo, os que estão acima da massa.
Querem continuar privatizando o conhecimento que eles apenas JULGAM obter.

Quer saber... Eu tenho é vergonha disso!
Tenho vergonha de morar em um país em que a maioria é ignorante, em que as pessoas não escutam boa música, preferem a baixaria... Não têm acesso a uma boa literatura, não gostam de ir ao cinema (ou não podem, por questões financeiras_e tai, a questão política é fundamental nessa discussão), muito menos ao teatro...
Mas estou preferindo perguntar “por que” e tentar fazer algo pra mudar, pois se todos quisessem realmente a educação, sairiam organizando trabalhos a respeito e não só criticaria incansável e nocivamente dentro da sua esfera, no seu mundinho fechado pros seus amiguinhos pseudo-cult.
Bom, eu não sei se tudo o que estou falando aqui é bobagem, absurdo ou ignorância minha (Sim, admito que sou apenas mais uma ignorante nesse mundo).
Mas escrevi algo no qual acredito, pra poder ter atitudes menos humanas, e mais racionais (contraditório, tem certeza?) daqui pra frente.
Atitude. É disso que as pessoas precisam.
Falar menos, e fazer mais; e principalmente, avaliar o modo como estão utilizando os seus conhecimentos.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Beach Boys, Nostalgia pra animar...

Quando escuto essa música sinto vontade de sair cantando e dançando por aí...
Para e por mim mesma...
Misto de estranho e alegre!

video

quarta-feira, 1 de outubro de 2008